Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Cine Especial: PAUL THOMAS ANDERSON


Nas ultimas horas, foi anunciado que o mais novo filme de Paul Thomas Anderson ("The Master") irá concorrer no próximo festival de Veneza. Embora tenha ainda uma filmografia pequena, Anderson chamou muito atenção pela sua ousadia, forma de filmar e o talento por saber comandar um super elenco, onde cada personagem é fator importante para desenrolar da trama. Lembrando disso, solto abaixo os principais e melhores filmes da carreira desse engenhoso diretor.   
  
Boogie Nights - Prazer Sem Limites

Sinopse: Eddie (Mark Wahlberg) é um ator novato que acaba sendo descoberto por Jack Horner (Burt Reynolds), um diretor de filmes pornográficos que considera seu trabalho uma forma de arte. A partir daí, Eddie muda seu nome e passa a se envolver cada vez mais em um mundo de prazer e drogas.

No seu segundo longa metragem, o cineasta Anderson fez um raro mergulho do cinema convencional no pornô de Hollywood. Sem moralismo, ele expõe esse mundo tão polêmico com ternura. Mesmo distante de problemas práticos, com advento do video nos anos 80 alternando a conduta dos produtores, os integrantes do cinema erótico mantêm, segundo Anderson, uma união efetiva quase familiar. Finalista em três categorias  do Oscar (roteiro original, atriz coadjuvante para Julianne Moore e ator coadjuvante para Burt Reynold), o filme ainda reserva a presensa de um dos grandes mitos do pornô, que é a bela veterana Hartley, que no filme é uma ninfomaníaca esposa de um técnico, interpretado pelo ator William H. Macy (A Vida em Preto e Branco).
Embora com elenco cheio de rostos conhecidos, muitos se lembram que esse foi o filme que consagrou Mark Wahlberg (Os Infiltrados) e até hoje é considerado o melhor desempenho da carreira do ator. A cena em que ele se descontrola perante todos e seus últimos minutos em cena (fazendo uma referencia ao clássico Touro Indomável, mas de uma forma desconcertante), são dignas de nota.                  

Magnólia

Sinopse: A história se desenvolve em Los Angeles, nos arredores da rua Magnólia, acompanhando um dia na vida de nove personagens, que moram na mesma área e cujas histórias se cruzam por coincidências do destino. O filme aborda diversos temas polêmicos, como incesto, homossexualidade, drogas e violência.

Clássico do inesquecível ano de 1999 continua sendo arrebatador e com um dos finais mais enigmáticos de todos os tempos. Ousado mosaico dramático dirigido e escrito por Anderson que chamou a atenção da critica por Boogie Nights. A semelhança de Shorts Cuts, de Robert Altman, o roteiro apresenta vários personagens do inicio desconexos. A excessiva duração do filme é a proposta do diretor, que quis compor um épico sobre dramas comuns. O roteiro pesado, alguns espectadores testarão os seus nervos ou usarão muitos lenços. Atuações surpreendentes, onde se destaque Cruise, vencedor do Globo de Ouro 2000 de ator coadjuvante, ótimo papel de um guru dos machistas.
É um filme que possui inúmeros momentos magistrais, sendo que um todo mundo conhece, só não vou dizer aqui para não estragar a surpresa daqueles que não viram, mas adianto que, como eu disse acima, acontece nos minutos finais e com certeza é das coisas mais imprevisíveis que já vi num filme. A outra cena é aquela em que todos os personagens da trama, fragilizados perante as situações difíceis que andam passando, começam a cantar a bela musica “Aimee Mann - Wise Up”. Curtam esse momento abaixo.  

Curiosidades:O filme faz várias referências ao número 82. Este número se refere a uma passagem da Bíblia, mais especificamente ao livro do Êxodo, 8:2. Jason Robards (Era uma vez no Oeste), em seu último papel no cinema, vindo à falecer pouco depois do fim das filmagens. 

Sangue Negro

Sinopse: Virada do século XIX para o século XX, na fronteira da Califórnia. Daniel Plainview (Daniel Day-Lewis) é um mineiro de minas de prata derrotado, que divide seu tempo com a tarefa de ser pai solteiro. Um dia ele descobre a existência de uma pequena cidade no oeste onde um mar de petróleo está transbordando do solo. Daniel decide partir para o local com seu filho, H.W. (Dillon Freasier). O nome da cidade é Little Boston, sendo que a única diversão do local é a igreja do carismático pastor Eli Sunday (Paul Dano). Daniel e H.W. se arriscam e logo encontram um poço de petróleo, que lhes traz riqueza mas também uma série de conflitos.

O Cidadão Kane do século 21. Exageros a parte, o filme é ótimo por dois motivos: 1) Paul Thomas Anderson, que desde maravilhoso, Magnólia, não fazia um filme tão marcante. 2º) Daniel Day-Lewis que em cada filme que atua, age como se fosse seu ultimo desempenho da carreira e que acaba dando tudo de si numa atuação extraordinariamente assustadora. O filme é uma verdadeira critica ao consumismo de petróleo desenfreado que existe, tanto ontem como   atualmente e a típica historia que dinheiro não é tudo, mas que aqui funciona a dedo.
Não tem como não deixar de se lembrar dos primeiros dez minutos de filme, onde simplesmente não a palavras dos personagens que se apresentam na trama, sendo que unicamente as coisas ficam acontecendo na tela, embalado com uma bela trilha sonora e que as imagens apresentadas falam por si, algo que é muitíssimo raro no cinema atual. E logicamente, os minutos finais da trama são dignos de nota, onde Day Lewis discursa sobre as engrenagens do seu universo envolta do petróleo, no qual é encerrado de uma forma primorosa e desconcertante. Lewis acabou levando o seu segundo Oscar (o primeiro foi por Meu Pé Esquerdo), sendo uma das premiações mais justas da academia dos últimos anos.  
 Um filme que será lembrado a cada ano que passar.

E em breve:


Me  Sigam no Facebook e Twitter

Nenhum comentário: