Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Cine Especial: O Cinema Surrealista de Luis Buñuel: Parte 3


No dia 30 e 1º de Julho, estarei participando do curso O Cinema Surrealista de Luis Buñuel, criado pelo CENA UM e ministrado pelo critico e escritor Mário Alves Coutinho. E enquanto os dois dias não vêm, por aqui, estarei escrevendo um pouco sobre o que eu sei, desse corajoso cineasta, que batia de frente com a igreja católica e que se dizia ateu "graças a Deus".    

OS ESQUECIDOS

Sinopse: Retrata o cotidiano de um grupo de jovens delinqüentes, entre eles Jaibo, recém fugido do reformatório, e Pedro, um garoto rejeitado pela mãe que acaba se envolvendo em um assassinato.

Luis Buñuel cria aqui o verdadeiro retrato das classes pobres esquecidas pela civilização. Após a fase francesa (Cão Andaluz e A Era do Ouro) o diretor embarcou na sua melhor forma na sua fase mexicana. O diretor aqui cria um verdadeiro retrato de um mundo marginalizado e sem esperanças para um grupo de crianças que fazem de todo o possível para sobreviver nem que para isso custem suas vidas. Misturando momentos de realismo com surrealismo, o diretor da um verdadeiro soco no estomago para aqueles que esperam um final mais reconfortante.

Curiosidade: Os Esquecidos recebeu uma indicação ao BAFTA de melhor filme e deu a Buñuel o prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes, em 1951.


O ALUCINADO

Sinopse:Francisco mantém uma imagem de homem tranqüilo, conservador e religioso. Durante uma missa, conhece Glória, noiva de um amigo. Em pouco tempo, consegue separá-los e casar-se com a jovem. Depois do casamento, passa a ser um homem paranóico, ciumento e atormentado. Fascinante drama psicológico marcado por crítica feroz à burguesia e ao clericalismo.

Um retrato sobre os princípios rígidos, que podem levar um homem a loucura. Na sua fase no México, Buñuel sempre continuou firme e forte com seu lado autoral próprio e aqui neste filme não é diferente. O personagem Francisco, interpretado pelo inesquecível  Arturo de Córdova, nada mais é do que um homem preso pelos princípios do certo e errado, criados pela igreja, (ou seja, alfinetada do diretor perante a religião católica novamente) e com isso, começa a ter inúmeras paranóias com relação a sua esposa o que desencadeia inúmeros momentos de pura tensão (como da catedral por exemplo). Final pessimista, mas que da a que pensar.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Nenhum comentário: