Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Cine Especial: MARTIN SCORSESE – CINEMA, FÉ & VIOLÊNCIA: Parte 6


Nos dias 05 e 06 de Maio, estarei participando do curso “MARTIN SCORSESE – CINEMA, FÉ & VIOLÊNCIA”, que será realizado no Museu da Comunicação, criado pelo CENA UM e ministrado pelo critico de cinema, Rodrigo Fonseca. E enquanto a atividade não acontece, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esse diretor, que deu sangue novo ao cinema americano nos anos 70 e ainda hoje.

O REI DA COMÉDIA

Sinopse: Conta a história de Rupert Pupkin, aspirante a comediante obcecado por se tornar um rei da comédia. Ele encontra seu ídolo e pede para fazer uma participação no talk show dele, porém é sempre enrolado. Pupkin não desiste e começa a mostrar o lado mais doentio de sua obsessão na busca de conseguir o que almeja.

Roteiro e  montagem são muito bem construídos, onde o cineasta consegue fazer a trama balançar, tanto para a comédia como para o drama, que embora sejam gêneros diferentes, não soe nada forçado ou muito menos exagerado. O grande momento do filme vem dos momentos de delírio e grandeza de Rupert, alternando entre seu diálogo improvisado no quarto/porão de sua casa, e a conversa com Jerry num restaurante luxuoso; e o programa de auditório imaginário com fotos em tamanho real de Lisa Minelli e Jerry Langford.
Os desempenhos são ótimos, devido a ótima ideia de  Scorsese em alongar alguns momentos, em que o filme aumenta no suspense de uma forma gradual, através de seu tom cada vez mais desconcertante, em que as investidas de Rupert se tornam mais fortes, tornando o desenrolar da trama inesperado. Uma crítica sombria ao culto dos famosos, que embora não tenha dado muitos louros para o diretor na época, rapidamente o filme se tornou cultuado ao longo do tempo.

Curiosidade: Martin Scorsese declarou em entrevista que ele e Robert De Niro não trabalharam juntos por sete anos devido à intensa carga emocional que O Rei da Comédia trouxe para ambos;
Robert De Niro usou provocações anti-semitas para irritar Jerry Lewis, durante a realização da cena em que seu personagem destrói a casa de campo. Lewis ficou chocado com as ofensas, mas manteve a atuação.


A INVENÇÃO DE HUGO CABRET 
Leia minha critica já publicada clicando aqui


Me Sigam no Facebook e Twitter

Nenhum comentário: